Tell me what the fuck is wrong with me

Aquele sentimento horrível que se eu parar pra pensar friamente sempre fez parte da minha rotina está voltando e eu sinto que dessa vez é com força total. Eu posso até dizer que fico bem sem ninguém por perto e não me importo em ser tão solitária, mas não se engane com essas palavras vazias ditas da boca pra fora.

Eu me importo sim com isso. Às vezes eu finjo que não ligo e tento esquecer o que está acontecendo. E às vezes (que estão se tornando mais frequentes) paro e reflito que não é assim que quero passar o resto da minha vida. Eu tento com todas as minhas forças não demonstrar o fato de que sou eternamente carente. Carente de afeto e de atenção. Carente de carinho.

Mas como eu posso receber toda a atenção que eu preciso –ou pelo menos que o meu subconsciente aparentemente necessita para ser feliz- se não consigo sequer me tornar ligeiramente visível para as pessoas ao meu redor? Porque eu sei que eu sou invisível, tanto que eu provavelmente seria uma ótima agente secreta. O tipo de pessoa que passa sem deixar marcas e que as pessoas esquecem facilmente.

Parece que estou fadada a ser sempre a última opção, o último recurso. Nunca a primeira. Nunca. Isso dói e muito. Eu acho que já tenho dramas e complexos de merda o suficiente para uns bons 50 anos e eu não preciso disso para adicionar a minha lista. Não desejada, não querida, não tudo. Eu não posso lidar com isso agora e eu não quero ficar doente. Não sei se seria capaz de suportar outra recaída. E tudo que eu não quero é ficar presa a psicólogas que tem mais problemas do que eu e remédios que ferram com a minha cabeça.

É como se a garotinha de 5 anos que foi abandonada pelo seu pai estivesse destinada a ser sempre rejeitada por tudo e todos. Qual é a solução para tudo isso? Nunca confiar em ninguém? Nunca deixar ninguém entrar nos meus muros e quebrar as minhas defesas? Continuar sempre sozinha e sempre me remoendo e perguntando: Afinal, o que tem de errado comigo?

Talvez tudo isso não passe de um sistema de defesa que eu criei para evitar o abandono, evitar que alguém chegue perto o suficiente e tenha o poder de me ferir. Freud com certeza explica.

Tudo que eu sei é que estou cansada de ficar sozinha e ao mesmo tempo cansada de me ver tentando achar um amigo a qualquer custo. Só pra que eu não fique tão sozinha. Só pra que eu não fique tão depressiva. Só pra ter alguém que me diga que tudo vai passar e que não, eu não sou invisível e que provavelmente daria uma péssima agente secreta.  É uma pena que as pessoas não possam ter tudo que desejam.

 

 

Advertisements

Mariella

"But Mariella just smiled as she skipped down the road because she knew all the secrets in her world."

@mariellapops

Error: Twitter did not respond. Please wait a few minutes and refresh this page.

bloglovin

%d bloggers like this: